domingo, 30 de novembro de 2014

Vida teria sido criada por uma mente inteligente.




Reportagem Rodrigo Cardoso (rcardoso@istoe.com.br)
fonte: www.istoe.com.br/reportagens/393404_ELES+DESAFIAM+DARWIN



Cientistas brasileiros se aliam a um grupo de acadêmicos americanos e começam a defender nas universidades do País que avida teria sido criada por uma mente inteligente

Toda vez que é instada a dissertar sobre o início do universo e da vida, a maioria da comunidade científica apoia-se nos princípios de Charles Darwin (1809–1882), o biólogo e naturalista inglês que explicou a origem da diversidade da vida na terra com a Teoria da Evolução. Para esses darwinianos, novas espécies de seres vivos surgem por meio de mudanças graduais, geradas pela descendência e guiadas pela seleção natural. Cresce no País, no entanto, um grupo de cientistas de currículos robustos dispostos a quebrar o paradigma da biologia evolutiva, defensores da Teoria do Design Inteligente (TDI). A vida, para eles, não se desenvolveu na Terra de forma natural, mas projetada por uma mente inteligente. “Conhecimentos científicos em bioquímica e biologia molecular cada vez mais apurados nos permitiram abrir a caixa preta chamada célula e enxergar nela um conjunto imenso de máquinas moleculares dotado de uma complexidade irredutível”, diz Marcos Eberlin, professor do Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). “Não dá para pensar num motor desse tipo produzido por forças naturais. Foi decisão de uma inteligência que existe no universo.” Autor de mais de 650 artigos científicos com mais de dez mil citações e comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico, Eberlin é o porta-voz brasileiro da TDI, um movimento que nasceu nos Estados Unidos no final dos anos 80. Por lá, há cerca de três mil adeptos, como químicos, bioquímicos, biólogos e físicos. Aqui, os seguidores ganharam corpo com a Sociedade Brasileira do Design Inteligente, constituída no mês passado. Com Eberlin na presidência e um comitê científico composto por alguns ex-darwinistas, a entidade recentemente deu vida ao 1º Congresso Brasileiro do Design Inteligente, em Campinas, no interior de São Paulo.

Ao final do ciclo de palestras, no domingo 16, que contou com a presença de cientistas do exterior, como o filósofo com especialização em biologia evolucionária Paul Nelson, entre os 370 participantes, o número de membros da sociedade saltou de 220 para 300. “Seremos 500 até o final do ano, mil até o ano que vem e cinco mil em cinco anos”, afirma o químico da Unicamp. “Não somos inimigos de Darwin, mas amigos da ciência. Queremos restabelecer a verdade científica”, diz ele, que é membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC). Por enquanto, porém, eles têm causado controvérsia na comunidade científica. Para o especialista em genética evolutiva Diogo Meyer, a TDI tem credibilidade quase nula. “Eles não são da área para a qual pretendem contribuir. São químicos, pessoas que atuam na biologia molecular, bioquímica, e não trabalham com a evolução, diversidade biológica ou genética”, afirma ele, que é biólogo do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP). “É como se eu, que trabalho com evolução, argumentasse contra as interpretações mais convencionais da Revolução Francesa.”

Para os darwinianos, a TDI é um movimento de criacionistas que tenta dar uma roupagem de teoria científica à fé deles. “A gente diz por que a evolução dá conta de explicar as estruturas complexas das moléculas celulares, mas quem está atacando uma ideia já vigente precisa arregaçar a manga e mostrar serviço, o que não ocorreu até agora”, afirma Meyer. Evangélico batista, o químico Eberlin argumenta que tentam rotular o selo de religião na TDI para classificá-la como pseudociência. A universidade da qual ele é docente chegou a divulgar o Congresso sobre Design Inteligente em sua página no Facebook mas, de acordo com Eberlin, sofreu pressão para remover o anúncio. A Unicamp explicou, por meio de sua assessoria, que após verificar que o evento não conta com participação institucional concluiu que não justifica a sua divulgação. O porta-voz da TDI chama seus opositores de pitbulls de Darwin. Para eles, o químico, presidente da Sociedade Internacional de Espectrometria de Massas, é um charlatão. O docente, porém, continua aceitando convites para palestrar em universidades e explanar que fomos planejados e não gerados por processos naturais.

http://www.istoe.com.br/reportagens/393404_ELES+DESAFIAM+DARWIN

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Artigo científico explica possível existência de humanoides reptilianos




De acordo com um artigo de Alexandre Light, publicado no site humansarefree.com, o famoso químico Ronald Breslow PhD havia liberado em 2012 um artigo científico explicando a possibilidade de que uma antiga e avançada civilização reptiliana possa existir. O artigo foi publicado pela Sociedade Química Americana (American Chemical Society- “Nova pesquisa científica levanta a possibilidade de versões avançadas de T. Rex e outros dinossauros- criaturas monstruosas com a inteligência e a astúcia de humanos – podem ser as formas de vida que evoluíram em outros planetas do universo.“)

Seria melhor se não os encontrássemos“, concluía o estudo, que apareceu no Journal of the American Chemical Society.

O documento teria sido tirado do site após algumas semanas de sua publicação, com a seguinte mensagem: “This paper was withdrawn on May 16, 2012 (J. Am. Chem. Soc.2012, 134, 8287).”

No documento, o cientista Ronald Breslow, Ph.D., discute o mistério de séculos do porque os blocos de construção dos aminoácidos terrestres (que perfazem as proteínas), açúcares, e os materiais genéticos DNA e RNA, existem somente em uma orientação e formato. Há duas possíveis orientações, esquerda e direita, espelhando uma à outra, da mesma forma que ocorre com as mãos.

Para que a vida surja, proteínas, por exemplo, devem conter somente uma forma simétrica de aminoácidos, esquerda ou direita. Com a exceção de poucas bactérias, os aminoácidos em toda a vida na Terra tem a orientação para a esquerda. A maioria dos açúcares tem a orientação para a direita. Como ocorreu a predominância da uma forma de simetria?


É claro“, diz Breslow, “mostrar que isto poderia ter acontecido desta forma não é o mesmo que mostrar que realmente ocorreu“. Ele adiciona: “Uma implicação deste trabalho é a de que em outros lugares do universo poderia haver formas de vida baseadas em aminoácidos D e açucares L. Tais formas de vida poderiam muito bem ser versões avançadas de dinossauros, se os mamíferos não tivessem a sorte de ter os dinossauros erradicados por uma colisão de asteroide, como ocorreu na Terra. Seria melhor se não os encontrássemos“.

Evolução-do-TroodonteWikipedia

Em 1982, o então curador de fósseis vertebrados do Museu Nacional do Canadá em Ottawa, conjecturou a possível rota evolucionária para o Troodonte, se ele não tivesse desaparecido no evento de extinção há 65 milhões de anos, sugerindo que ele poderia ter evoluído em um ser inteligente, similar em corpo aos humanos. Ao longo do tempo geológico, Russell apontou que tem havido um gradual aumento na quociente de encefalização, ou QE (o peso relativo do cérebro quando comparado com outras espécies com o mesmo peso corporal) entre dinossauros.

Russel descobriu o primeiro crânio Troodontídeo, e notou que, apesar do seu QE ter sido baixo quando comparado com o dos humanos , ele era seis vezes maior do que o de outros dinossauros. Russell sugeriu que se a tendência na evolução do Troodonte tivesse continuado até o presente momento, sua caixa cerebral poderia agora medir 1.100 cm3, o que é comparável à de um humano.

Troodontídeos tinham dedos capazes de agarrar e segurar objetos até um certo ponto, e uma visão binocular. Russell propôs que seu ‘dinossauróide’, como os membros da família troodontídea, teria grandes olhos e três dedos em cada mão, um dos quais seria parcialmente oposto (como o nosso polegar). Russell também especulou que o ‘dinossauróide’ teria tido um bico sem dentes.

Como a maioria dos répteis modernos (e pássaros), ele concebeu sua genitália como sendo interna. Russell especulou que ele teria um umbigo, pois uma placenta ajuda no desenvolvimento de uma caixa cerebral grande. Porém, ele não possuiria glândulas mamárias, e alimentaria suas crias como alguns pássaros fazem, regurgitando alimentos. Ele sugeriu que a linguagem soaria algo como cantos de pássaros”. — Wikipedia;

Mais defensores da teoria do “Dinossauro Sapiens”

(1977) Aritsune Toyota: “Um escritor japonês de ficção científica foi um dos primeiros que propuseram a idéia de dinossauros sapientes. Toyota estava intrigado com a teoria do ‘Deinonico de sangue quente’ (John Ostrom, 1964) e desenvolveu a idéia de que alguns tipos de dinossauros teriam evoluído para adquirir inteligência. Ele se referenciou no Dinossauro de Sangue Quente (Desmond, Adrian J., 1975, Rosemarie Buckman, Oxfordshire) e construiu um modelo teórico de como eles poderiam ter sido. Ele publicou sua idéia como ficção científica no livro Kako no kageri (Uma sombra do passado) in 1977. Na história, ele descreveu-os como humanoides reptilianos que usavam ferramentas feitas de ossos para caçar, falavam uma linguagem primitiva, e construíram uma sociedade rudimentar. A criatura teria evoluído de um dinossauro similar ao dromeosauro. Um ano mais tarde, Toyota recebeu dicas do zoólogo japonês, Tatsuo Saneyoshi, e começou a se empenhar por mais autenticidade nos detalhes zoológicos. Então, ele escreveu o livro Zoku jikanhō keikaku (Prospecto para o espaçotemporal parte 2). Ele continuou a estudar os dinossauros, e serializou sua literatura de ficção com o Dainosaurusu sakusen (O plano dos dinossauros), em 1979. “ - Wikipedia;

(1977) Carl Sagan: “Em seu livro de 1977, The Dragons of Eden: Speculations on the Evolution of Human Intelligence, (Os Dragões do Eden: Especulações sobre a Evolução da Inteligência Humana), Carl Sagan especulou sobre o gênero saurornithoides ter evoluído para formas mais inteligentes, se não tivesse ocorrido um evento de extinção. Num mundo dominado por saurornithoides, Sagan imaginou que a aritmética teria base 8 e não 10″.

(1978) Harry Jerison: “O psicólogo estadunidense Harry Jerison sugeriu a possibilidade de dinossauros sapientes. Em 1978, ele fez uma apresentação intitulada “Dinossauros inteligentes e psicologia comparativa”, durante uma reunião na Associação Psicológica Americana. De acordo com sua palestra, o dromiceiomimo poderia ter evoluído em uma espécie altamente inteligente, como os seres humanos.

 
Fontes: humansarefree.com / OVNIHOJE http://ovnihoje.com/2014/03/21/artigo-ci...ptilianos/
http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-artigo-cient%C3%ADfico-explica-a-poss%C3%ADvel-exist%C3%AAncia-de-humanoides-reptilianos#ixzz32Xh4KvdX HumansAreFree.com ; | Referências: American Chemical Society; Wikipedia; - See more at: http://humansarefree.com/2012/04/amazing-scientific-paper-explaining.html#sthash.KsIRItNg.dpuf

sábado, 2 de novembro de 2013

Deus de Spinoza




Einstein, quando perguntado se acreditava em Deus, respondeu: “Acredito no Deus de Spinoza, que se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe, e não no Deus que se interessa pela sorte e pelas ações dos homens”.



“Pára de ficar rezando e batendo o peito! O que eu quero que faças é que saias pelo mundo e desfrutes de tua vida. Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti. Pára de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo construíste e que acreditas ser a minha casa. Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nos lagos, nas praias. Aí é onde Eu vivo e aí expresso meu amor por ti. Pára de me culpar da tua vida miserável: Eu nunca te disse que há algo mau em ti ou que eras um pecador, ou que tua sexualidade fosse algo mau. O sexo é um presente que Eu te dei e com o qual podes expressar teu amor, teu êxtase, tua alegria. Assim, não me culpes por tudo o que te fizeram crer. Pára de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo. Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar de teus amigos, nos olhos de teu filhinho… Não me encontrarás em nenhum livro! Confia em mim e deixa de me pedir. Tu vais me dizer como fazer meu trabalho? Pára de ter tanto medo de mim. Eu não te julgo, nem te critico, nem me irrito, nem te incomodo, nem te castigo. Eu sou puro amor. Pára de me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Se Eu te fiz… Eu te enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. Como posso te culpar se respondes a algo que eu pus em ti? Como posso te castigar por seres como és, se Eu sou quem te fez? Crês que eu poderia criar um lugar para queimar a todos meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da eternidade? Que tipo de Deus pode fazer isso? Esquece qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei; essas são artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti. Respeita teu próximo e não faças o que não queiras para ti. A única coisa que te peço é que prestes atenção a tua vida, que teu estado de alerta seja teu guia. Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso. Esta vida é o único que há aqui e agora, e o único que precisas. Eu te fiz absolutamente livre. Não há prêmios nem castigos. Não há pecados nem virtudes. Ninguém leva um placar. Ninguém leva um registro. Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno. Não te poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso te dar um conselho. Vive como se não o houvesse. Como se esta fosse tua única oportunidade de aproveitar, de amar, de existir. Assim, se não há nada, terás aproveitado da oportunidade que te dei. E se houver, tem certeza que Eu não vou te perguntar se foste comportado ou não. Eu vou te perguntar se tu gostaste, se te divertiste… Do que mais gostaste? O que aprendeste? Pára de crer em mim – crer é supor, adivinhar, imaginar. Eu não quero que acredites em mim. Quero que me sintas em ti. Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada, quando agasalhas tua filhinha, quando acaricias teu cachorro, quando tomas banho no mar. Pára de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja? Me aborrece que me louvem. Me cansa que agradeçam. Tu te sentes grato? Demonstra-o cuidando de ti, de tua saúde, de tuas relações, do mundo. Te sentes olhado, surpreendido?… Expressa tua alegria! Esse é o jeito de me louvar. Pára de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te ensinaram sobre mim. A única certeza é que tu estás aqui, que estás vivo, e que este mundo está cheio de maravilhas. Para que precisas de mais milagres? Para que tantas explicações? Não me procures fora! Não me acharás.

Procura-me dentro… aí é que estou, batendo em ti”.